quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Mudanças no trânsito da Rua Marcílio Dias (Originalmente publicado em 02/fev/2010)


Araçatuba é uma cidade com quase 200 mil habitantes e uma frota de aproximadamente 100 mil veículos, ruas estreitas, traçado das vias complicados e estranhos, que foram surgindo ao bel prazer dos loteadores, sem nehuma preocupação com planejamento sério, estrátegico e que levasse em conta o fluxo de veículos, até porque há algumas décadas atrás não se imaginava que eles seriam tantos, é bom salientar.

Entretanto o que mais atrapalha a fluidez no trânsito são os próprios motoristas e pedestres, ou seja, nós, que somos, desculpem se ofenderei alguém, egoístas e pensamos somente na nossa própria comodidade.

Uma cidade é um 'organismo vivo', está em crescente movimento e o trânsito precisa acompanhar este movimento, as mudanças são necessárias e devem ocorrer constantemente, dizer que não se deve mudar, alterar, proibir estacionamento em determinados locais, criar mão única em algumas ruas é puro PRECONCEITO, pois a cidade é dinâmica, está crescendo e necessita ser 'atualizada', reprojetada, repensada e acima de tudo possibilitar a todos que nela vivem, condições de ir e vir com facilidade e rapidez, necessitamos de 'Mobilidade Urbana' e isso só acontece com fluidez no trânsito...

A imagem acima é da Rua Marcílio Dias, justamente no trecho onde o Conselho Municipal de Trânsito indicou para que fosse instalado semáforo para veículos e pedestres, local onde muitos acidentes acontecem, vale lembrar que a maioria deles por imprudência e desrespeito às regras de trânsito por parte dos próprios motoristas e pedestres.

A proibição de estacionamento em um dos lados da via, ou a criação de mão única de direção, não prejudica comércio algum, isto é puro preconceito, o que prejudica o comércio, são ruas interditadas por conta de acidentes, são ruas evitadas pelos motoristas por conta do perigo que o trânsito desordenado causa, são ruas onde os comerciantes e comerciários estacionam os seus veículos durante todo o dia na frente dos estabelecimentos e não sobram vagas para os consumidores, são ruas onde os caminhões de entregas de mercadorias, param em fila dupla atrapalhando a circulação, enfim o que atrapalha o comércio e todas as demais atividades da cidade é o desrespeito da grande maioria dos cidadãos que não sabem viver em sociedade, não sabem o que é cidadania, não sabem que os seus direitos vão até o limite onde começam os direitos dos outros...

...não queria ser tão longo neste texto,mas preciso acrescentar algo e darei alguns exemplos:

"Façam uma experiência, saiam em um passeio pela cidade, prestando atenção na maneira como as pessoas trafegam, e com certeza vocês verão: carros estacionados em locais proibidos, ao lado das placas de proibido estacionar (ex: defronte à Coopbanc, Rua Silva Jardim, Rua Luiz Pereira Barreto, Rua do Fico), sobre as calçadas (ex: Av. dos Araças, Rua Gal Glicério, Rua Silva Jardim, Rua Brasil, Rua Aguapeí), nos canteiros centrais de avenidas (Av. da Saudade), filas duplas e triplas na frente das escolas, (não precisa nem exemplo), restaurantes e lanchonetes ocupando 100% dos espaços das calçadas (Rua Cristiano Olsen, Rua Cussy de Almeida, Rua Porangaba, Rua Bolívia), carros, motos e bicicletas trafegando na contra-mão, excesso de velocidade nas ruas e avenidas, motoristas sem cinto de segurança, falando ao celular, motoqueiros e motociclistas sem capacete e também falando ao celular, pedestres fazendo caminhadas na faixa de rolamento dos veículos, e por aí vai, portanto antes de dizerem que estou sendo radical, façam esta experiência, tenho certeza que muitos acharão que estou sendo até ingênuo.

Um comentário:

Anônimo disse...

E não faltam poucas, faltam muitas árvores. A prefeitura poderia fazer alguma coisa, obrigar os proprietários a plantar, e cuidar das árvores em frente de seus imóveis. Quanto ao estacionamento, gera transtorno no princípio, mas o progresso nos cobra alguns preços, esse é um deles.